Renfe lucrou em 2015, Renfe Mercancias em perda

As contas da Renfe tiveram em 2015 um ano histórico: pela primeira vez, a companhia estatal espanhola atingiu lucros. Ao todo, a Renfe conseguiu 37,3 milhões de Euros de resultado líquido positivo, mesmo contando com o prejuízo de 39,7 milhões da Renfe Mercancias, a filial de transporte de mercadorias.

A filial de mercadorias é aliás uma pedra no sapato dos bons resultados da Renfe, impulsionados por uma atividade cada vez mais saudável no transporte de passageiros e, em particular, nos serviços de alta velocidade. Também as filiais de Fabrico, Manutenção e Aluguer de Material Circulante registaram lucros em 2015.

A Renfe Mercancias conseguiu reduzir custos em 11% mas ainda assim não impediu um resultado operacional negativo de 9,7 milhões de Euros, para o que contribuiu uma redução nas receitas de 3,9%, para 249,5 milhões de Euros. Para a redução de custos contribuiu uma melhoria da eficiência sobretudo na utilização de material motor, que vem sendo alvo de uma racionalização de modo a limitar o uso de séries mais antigas, dispendiosas e menos eficientes do ponto de vista energético.

O volume de tráfego baixo 2% para 19,4 milhões de toneladas e apenas o tráfego internacional registou uma melhoria de 0,9% (para 3,5 milhões de toneladas), com avultadas perdas de tráfego em vagão completo (-1,9%) e sobretudo no intermodal (-5,9%) onde a concorrência das muitas empresas privadas mais se tem feito sentir.

As dificuldades estruturais da Renfe Mercancias permaneceram em 2015, um ano em que o Governo espanhol tinha dito que era o ano da integração de um grande grupo industrial europeu no capital social da empresa.

Como enquadramento, apesar de operar num território muito mais vasto, a Renfe Mercancias representa um volume de tráfego (em toneladas transportadas) menos de duas vezes superior à CP Carga.