A nova oferta de Longo Curso da linha de Guimarães

A linha de Guimarães conhecerá já a 01 de Maio mais um marco histórico na sua existência. A antiga linha de via estreita foi reaberta em 2004 após obras de profunda renovação, que contemplaram a migração da bitola de 1000mm para a bitola ibérica de 1668mm, e desde então passou a estar servida por oferta de Longo Curso.

Um IC Guimarães - Lisboa, na linha de Guimarães.
Um IC Guimarães – Lisboa, na linha de Guimarães.

Um Intercidades por dia liga Lisboa com Guimarães. Inicialmente com o par de números 530 (sentido Norte – Sul) e 531 (Sul – Norte), os Intercidades são hoje numerados como 620 e 621 e mantêm no essencial os canais horários originais: uma saída de Guimarães por volta das 08:00 da manhã e uma saída de Lisboa, à tarde, após as 17:00.

A 01 de Maio, estes dois comboios serão complementados pelo serviço Alfa Pendular, que assim permitirá mais opções de viagem entre Guimarães e o Centro / Sul do país. No sentido Lisboa – Guimarães, o atual comboio 123 Lisboa 08:00 – Porto Campanhã 10:52 será assim prolongado a Guimarães, onde chegará por volta das 11:53.

Em sentido inverso, o atual comboio 128 Porto Campanhã 17:45 – Lisboa 20:40 terá como origem Guimarães, de onde sairá cerca das 16:50.

Muito embora a linha de Guimarães apresente baixas velocidades comerciais, não deixa de ser notável que uma linha que ainda há 15 anos era operada em via estreita, com comboios a diesel e por serviços de cariz regional, conheça hoje em dia uma expansão não só em tráfego de cariz regional (urbano) mas também conheça uma evolução notável nos serviços de Longo Curso que a utilizam.

One thought on “A nova oferta de Longo Curso da linha de Guimarães

  • 7 Abril, 2016 at 22:12
    Permalink

    Aplausos para esta iniciativa inédita na CP, não deixa de se louvar a atitude que tem existido no dinamismo e marketing que a empresa tem feito nos últimos anos e que tem sido compensador certamente para a mesma e para o passageiro.
    Mas vamos lá então perceber esta alteração ao serviço Intercidades de Guimarães:
    A imagem que o comboio transmite ao cliente / Passageiro dá uma outra ideia da nova que é a velha CP, contudo muito sinceramente não acho que este serviço venha a acrescentar muitos mais a uma região que tem muita mobilidade, comparada com outras regiões do país e onde em parte a CP tem baixado a qualidade que tinha até alguns anos atrás, mas como os olhos também comem e com esta guerra aberta entre Avião e Comboio / Norte e Sul a CP tem vindo a beneficiar uns serviços pela sua natureza de origem – destino, também tem deteriorado outros serviços e que ostentam o nome de “Intercidades”, como é o caso gritante e descabido da empresa ter baixado ao extremo o padrão de qualidade do mesmo serviço mas na Linha da Beira Baixa e que de Intercidades so mesmo o nome.
    Na altura a empresa CP com a desculpa do tempo das vacas magras da era Século XXI e apresentou com alguma visibilidade o “novo serviço Intercidades da Beira Baixa na qual se tinha renovado as automotoras que iriam prestar esse mesmo serviços e com padrões de qualidade. Motivo que desculpem as entidades aquí representadas e as demais uma “treta” encomendada para alguns ganharem e meterem ao bolso um “lifting” de unidades triplas que em nada beneficiaram a empresa nesta região do país e que tem continuamente sido a cobaia de experiências por parte da CP para com os seus clientes. Se antigamente a desculpa era que a linha não estava electrificada e encarecia a operação a diesel com máquina e carruagem (A23 era Gratuíta) e tendo em conta que durante mais de uma década se vinha a praticar a troca de locomotiva na Linha da Beira Baixa inicialmente em Abrantes e depois em Castelo Branco, já depois de ter sido a electrificação finalizada a desculpa foi a mesma operação sem troca de máquina encarecer o serviço, pois seria sempre necessário a inversão de Máquina na estação terminal da Covilhã, e como para meio entendedor basta, percebemos que o que encarecia mais era a troca de Máquinas ou a simples Operação de inversão de Máquina?

    Fica a questão no ar para quando o retorno de material circulante de qualidade no serviço Intercidades da Beira Baixa não é tempo de a empresa deixar-se e antagonismos, afinal somos todos iguais e Portugueses.

Comments are closed.