Qual é a opinião dos passageiros relativamente aos comboios “Intercidades” e “Celta”?

Comboio 525 acabado de chegar a Campanhã. Foto: Tiago Mota
Comboio 525 acabado de chegar a Campanhã. Foto: Tiago Mota

São 17h05 mins, O comboio Intercidades 525 (Lisboa – Santa Apolónia – Porto Campanhã, sai de Pombal à tabela. O Comboio, que tem wi-fi e um bar, vinha da estação de Santa Apolónia, em Lisboa e tinha o Porto como destino. Pelo meio parava em Alfarelos, Coimbra-B, Aveiro, Espinho e Gaia. Durante a viagem entre Pombal e o Porto, o PF entrevistou alguns passageiros da composição.

Rute, 21 anos vem de Portalegre, mas apanhou o comboio no Entroncamento com destino ao Porto. Esta estudante apenas usa o serviço IC pontualmente. A mesma não usa os regionais para Portalegre, mas afirma que se houvesse mais comboios em Portalegre, utilizava-os. No que toca ao Intercidades, a jovem afirma ainda que poderia haver mais comboios Intercidades.

Por sua vez, Cátia, de 25 anos, apanhou o comboio em Santa Apolónia e dirige-se para o Porto. Esta, normalmente utiliza o avião entre as duas cidades, pois o comboio demora muito tempo e é mais caro que a Ryanair,

Já António Queiroz, reformado de 79 anos, vem de Lisboa. Usa o transporte ferroviário há mais de quarenta anos. O mesmo, quando questionado sobre o que deveria de ser alterado no serviço Intercidades, afirmou que não tinha nenhuma ideia para o melhorar. “Até ver, isto é uma categoria. Às vezes há uns atrasos, mas isso é normal”, afirmou.

António, utilizador regular dos serviços da CP. Foto: Tiago Mota
António, utilizador regular dos serviços da CP. Foto: Tiago Mota

Entrevistamos ainda um outro passageiro que também vinha de Lisboa e se chamava António. Este, usa sempre o comboio, porque as estações estão localizadas no centro das cidades. O mesmo considerou que se deveriam melhorar as casas-de-banho e o bar. Estas reclamações, aplicam-se tanto ao Alfa como ao IC.

O PF prosseguiu a viagem até Vigo, no comboio “Celta” que sai do Porto às 19h15. E foi neste comboio, efectuado por uma UTD 592.2, que encontramos Marta. Esta utilizadora vai para Vigo e costuma usar o comboio internacional regularmente. Isto porque tem um namorado no Porto. Embora esta passageira considere que o serviço é bom, Marta pensa que o comboio deveria ter um bar ou máquina de vending e que deviam de existir mais comboios entre o Porto e Vigo.

Interior da automotora que levou o PF até Vigo.
Interior da automotora que levou o PF até Vigo.

Por sua vez, Carlos, de 38 anos, é polícia e também vem do Porto para Vigo. É a primeira vez que usa o comboio para Vigo. Escolheu usá-lo por ser mais barato. Tal como Marta, este passageiro afirma que deviam de haver mais comboios entre Porto e Vigo.

Estes são apenas dois dos mais de 30 passageiros que viajavam naquele comboio, que pára em Nine, Viana do Castelo e Valença. Nesta última estação, o revisor português sai e entra um espanhol. No entanto, o maquinista, que é português, continua a conduzir o comboio até à estação de Guixar, em Vigo, onde chega à tabela.